[25/02/2012] • 3 comentários

inquieta-me mais pela "indelicadeza" com que, na minha perspectiva, se vai abordando o assunto!
E a coisa foi clara no Carnaval (que não sendo feriado, o era para tantos de nós) com as divergências criadas localmente conforme o significado e envolvência comunitária das populações.
Não conheço e, muito menos, domino os dados da produtividade nacional. O que sei é que faz parte da história de cada um de nós um conjunto de eventos que local e nacionalmente celebram e marcam momentos chave de celebração comunitária.
A minha ideia é que um feriado (com maior incidência para os de marca religiosa) é mais do que um dia de lazer em que não se produz. É, quase sempre, um dia em que nos habituámos a viver, celebrar e participar comunitariamente em algo que é história. Porque fez e faz parte dela e de nós.
Talvez por isso, apagar feriados seja apagar relações comunitárias essenciais ao brio de um povo. Talvez por isso, defendo que mais do que acabar com os feriados precisamos dos que nos trazem outra vez à vida, ao empenho, ao orgulho, à luta, à relação cúmplice.

Que dizemos!?


3 comentários:

Paulo Adriano disse...

Ponto 1 - O carnaval não é feriado.
Ponto 2 - O carnaval é comemorado/celebrado (por quê? vide: panem et circenses)
Ponto 4 - Dava-se tolerância de ponto
Ponto 5 - Agora já não se dá
Ponto 6 - Apesar disso, dá-se (tolerância)
Ponto 7 - E os que não dão, tiram.

Ponto final - Queriam melhor carnaval que este?!

Zef disse...

Falando da envolvência comunitária, acho que se deve começar pelos Domingos. São 52, e por isso, à semelhança do passado é este que poderá ser a "fonte" da comunidade. Os feriados podem dar uma ajuda, mas se os Domingos não passam de dias de descanso, para ver filmes e dormir até mais tarde!

Apesar de perceber a importância, não me sinto confortável em lutar por um feriado que provavelmente não diz nada a 90% da população, incluindo eu.

Daniela JJ disse...

Reforço tudo o que disseste,Alx, mas não propriamente em relação ao Carnaval.
Há feriados que nos irão ser retirados, que de uma forma ou de outra até têm o seu significado (não obstante a participação nas respectivas cerimónias oficiais ou religiosas).
O que eu considero é que a nossa produtividade continuará exactamente igual ao que era. Se ao invés de retirarem os feriados, tomassem o exemplo dos britânicos "encostando-os" aos fins de semana, seria mais inteligente. Não haveria pontes, teríamos fins de semana de 3 dias, e quase garanto, ao regressar ao trabalho na 2ª feira, poderia ser bastante produtivo.
Relativamente à envolvência comunitária, concordo com o Zef, existem os Domingos para tal.
Obrigam a malta a trabalhar nos ex-feriados. Resultado: a maioria irá estar o dia todo no facebook a fazer "ronha".
Carnaval: Não há maior Carnaval que o que temos tido nos últimos meses...

Enviar um comentário