[07/03/2008] • 1 comentários

Faço minhas as palavras do alx. Dia da mulher? Bah. Soube há umas horitas que isso seria amanhã. Pois que seja. Por mim seria todos os dias. Se o fizeram apenas num dia, isso é lá com quem o fez. Eu gosto das nossas diferenças (entre homens e mulheres, entenda-se), as diferenças que nos fazem querer estar juntos. E não estou a falar de cozinhar (eu cozinho), nem de lavar a louça (eu lavo), nem de limpar a casa (eu limpo), nem de passar a ferro (eu passaria, mas aqui não confio nas minhas possibilidades e a minha arte não me deu para aprender tal mester). Falo das outras diferenças, das que fazem um homem, mais homem, e uma mulher, mais mulher. E que em nada reduz a dignidade de cada um e que a nenhum dos dois coloca acima do outro.

Querer fazer um cada vez mais igual ao outro, trará consequências desastrosas. Faço uma comparação com o tempo de namoro de um casal. Parece que está na moda, e esse é o desejo da maior parte, querer encontrar a alma gémea, aquela pessoa que faz o mesmo que nós, que tem os mesmos gostos que nós, que tem as mesmas qualidades e defeitos que nós. Sem querer diminuir a importância que tem este graal para muitos, devo dizer que não é por esse caminho que vão dar à felicidade. Será, no máximo um atalho que trará um conhecimento imediato do outro, mas que nos meterá em trabalhos por ser demasiado superficial.

Falo por mim, que sou tão diferente daquela que me levou ao altar. E é tão saboroso tentar perceber essas diferenças e crescer com elas. E neste vai-vém, irmo-nos assemelhando cada vez mais, porque o amor tem destas coisas. Para ela, tento dedicar-lhe todos os dias porque é ela que, como em As good as it gets, faz com que eu queira ser uma pessoa melhor. Não o consigo, é certo, nem de perto nem de longe. Mas a garantia de felicidade nunca pode ser uma estado permanente. É, sim, uma conquista constante e diária.

Dedicado à Sónia

1 comentários:

alx disse...

de facto essa coisa do passar a ferro é que me dá cabo do canastro. também não consigo. nem sequer tentar. é um ultimo reduto...

tudo o resto. estou lá. e tenho descoberto uns dotes que me têm espantado...

Enviar um comentário