[23/05/2008] • 8 comentários

Este é um exemplo de uma caldeira biomassa.
O combustível destas caldeiras são, restos de cana de açucar, restos de casca de pinhão, restos de lenha, cascos, etc, e para quem não tem acesso a essas coisas pode comprar um saco de 15kg de pelets (que não são mais do que restos destes materiais prensados em granulados) por 3.70€ +iva, ou 1Ton por 170€+iva, em que 1Ton dá para um mês, a funcionar como aquecimento central e aquecimento de águas sanitárias(AQS).

8 comentários:

verita disse...

Catarina, porque é que as lâmpadas económicas fazem mal à saúde? Cá em casa não se usam outras! Libertam gases nocivos, é?

Alx disse...

pois, também queria fazer essa pergunta! cá em casa usam-se umas e outras mas..

Vasco zeferina disse...

Eu prefiro uma solução destas em vez das que queimam combustíveis fósseis... mas esta não deixa de ser poluente, pois apesar de ter elevados rendimentos, ainda liberta muito C02 para a atmosfera. Mas claro que é muito vantajoso em termos económicos, se tiveres a matéria prima para lhe fornecer.

Mas não é uma solução amiga do ambiente, tal como não são os bio- combustiveis, que até podem ser muito mais poluentes que os combustiveis normais. Muitas vezes as soluções que nos apresentam, são muito mais poluentes na produção do que os benefícios adjacentes.

Eu gosto de me preocupar com o ambiente, mas acho que já é muito mais um negócio do que uma causa. Isso deixa me desconfortável e um bocado reticente com aquilo que leio e ouço.

apesar de me entusiasmar sempre...

Catarina disse...

Bem...O que eu digo sobre as lampadas foi tirado de uns artigos que li e que fazem algum sentido..

A primeira coisa que se faz quando se usa as lampadas economicas é deixar as luzes todas ligadas porque "gastam pouco". As lâmpadas de incandescência emitem um espectro de luz contínuo que produz cores reais permitindo uma melhor percepção do meio que nos rodeia, evitando dar trabalho aos neurónios, evitando dores de cabeça e cansaço ocular. As lâmpadas fluorescentes=economicas emitem um espectro descontínuo.
As lâmpadas fluorescentes são substancialmente mais difíceis de digerir pela natureza. Contêm tudo o que as incandescentes contêm e contêm ainda cobre e mercúrio (sendo aqui um grande problema se a lampada se partir).
A parte de dentro da lampada é coberta de sal de fosforo que serve para absorver toda a radiação ultravioleta que a lampada emite mas o problema é que ao longo do tempo, esse sal vai desaparecendo e as radiações Uv chegam a nós e estas são prejudiciais ao nosso organismo.

verita disse...

Muito bem Catarina. Estou esclarecida! :)

Obrigada

verita disse...

E obrigada Vasco por não ajudares nada ao negócio!
És um porreiro

Vasco zeferina disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
P.A. disse...

Estou a fazer casa (e também por isso não tenho aparecido aqui) e optei por solar tanto para aquecimento (piso radiante a água) como para águas sanitárias... sem mais nada... Talvez, se ainda sobrar um dinheirito, compre uma bomba de calor eléctrica (que são bem caras). E perguntam vocês: mas consegues autonomia só com solar? eu digo: quando estiver a utilizar, depois digo. Mas a verdade é que existem muitos tipos de solar...
Gás em casa? Népias! Caldeiras a combustível (biomassa ou outros): Népias! Apenas electricidade!
Quanto às lâmpadas... confesso que o que se escreveu por aqui me deixou confuso... sendo assim, optarei sempre pelo que me oferecer condições económicas mais vantajosas...

Enviar um comentário