[10/02/2008] • 3 comentários







Uma imagem simples...

Uma imagem vazia de cor, cheia de luz...

Uma imagem que me arrepia...

Uma imagem com o I e M maiúsculos...

...para mim.

Para vocês...

Uma imagem...

...apenas uma imagem!


(Desculpa, Rafa, ser em cima da hora.) Esta fotografia foi tirada por mim, ou melhor, pelo meu telemóvel, num dia de nevoeiro cerrado, na praia da Vieira. Procurámos a praia num dia de Inverno, na esperança de um raio de Sol, e quando já estávamos de partida, eis que fomos presenteados pela imagem que vos mostro. A sensação foi indescritível. Ficou gravado o momento. É esse momento, ou são esses momentos que partilhamos na troca de fotografias, imagens. . . Contudo, o curioso, é imaginarmos a experiência, a envolvência, a história, a Vida que à primeira vista não tem! Impossível?


A partir deste pensamento e respondendo à segunda proposta... as imagens dos Outros são Sorrisos. . . os Outros são a Razão. . . a partilha, o convívio, os momentos, as lágrimas, os arrepios. . . não se constroiem sozinhos!* Tenho saudades vossas*

3 comentários:

Rafa disse...

As vezes é quando a descrença já está quase implantada que tudo muda...e se calhar é somente por isso que marca, que é indiscritivel, tal como tu dizes, porque na realidade já não contavamos com isso...
...é aquilo que eu gosto de chamar o sindrome do "golo no último minuto"...ás vezs parece que nem o gajo que marcou o golo acreditava nele...mas marcou-o...e sabe bem :)
Foi assim tipo a tua participação..no ultimo minuto...e com pés e cabeça...não é como os gajos do Benfica que mereciam todos um distico azul no carro :)

alx disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
alx disse...

benfica ganhou 4-1!!!

é só para ficar para a história


Mais sério.
Tenho fotos que, por vezes, despertam em mim umas lágrimas.
Confesso.
E não é pelo que elas mostram. Mas porque me recordo, perfeitamente, do que estava a pensar naquele momento, a sentir naquela ocasião, a imaginar em tais circunstâncias... etc...
Talvez isso nos diga que a verdade das coisas (e imagens, também) poucos a conhecem. Em algumas circunstâncias, só Deus.
Mas quem partilha, conscientemente, as suas próprias circunstãncias não pode deixar de rir/chorar a cada momento: pelas recordações, pelas vivências e pelas antecipações.
Nas palavras de outro, é o que faz da nossa existência uma "Divina Comédia", em que esta última nos vai revelando, cada vez mais, a primeira como VIDA.

Enviar um comentário